Transporte Público Coletivo por Ônibus em São Paulo: Desenho e Consequências Urbanas

Coordenadores/Principal Investigator: 
Resumo/Abstract: 

A falta de racionalização do sistema de transporte urbano por ônibus é certamente um fator que reduz drasticamente sua eficiência. Além desse fato, também é consensual que uma rede estrutural formada preferencialmente por BRTs ou faixas exclusivas torna o sistema mais eficiente. Um salto na infraestrutura viária associada a uma racionalização da rede pode reduzir em cerca de 20% a necessidade de veículos. Se bem planejada, tal rede pode reduzir o tempo médio de espera em uma conexão dentro da parte estrutural, para valores tão baixos quanto um minuto. Esse salto evidentemente vem acompanhado de mudanças no uso do solo e na própria forma urbana. Se o sistema estrutural é a chave da rede, por um lado, ele não se sustenta sem um sistema alimentador que é responsável por uma parcela considerável das viagens. O sistema alimentador ou local é o que está mais próximo da população e, portanto, mais complexo de ser alterado. Entender como cada subsistema local se caracteriza é fundamental para se implantar uma mudança de uma rede descentralizada para uma rede tronco-alimentada.

Ano de Conclusão/Year of Conclusion: 
Em andamento/In Progress
Co-pesquisadores associados/Co-Associated Researchers: 
<p><span>Daniela Stucchi; Claudia Cerqueira; Marianna Sampaio; Marco Antonio Monteiro Villela Pepe; Luis Otavio Bassi Calagian; e Luciana Varanda</span></p>
Ver as publicações desta pesquisa

Portal FGVENG

Escolas FGV

Acompanhe na rede